CADASTRO     ATUAL    ANTERIORES    NOTÍCIAS     PESQUISA     PROFLETRAS

Impactos Ambientais Gerados Na Indústria de Cerâmica Vermelha

Cícera Diedja Cordeiro da Silva, Janaína Viana Barros


 

Resumo

D.O.I.: 10.13115/2236-1499.2014v1n12p203

RESUMO
O Brasil é um grande produtor mundial de produtos cerâmicos, ao lado da Espanha, Itália e China, mas consome quase toda a sua produção. O Nordeste, por sua vez, produz 21% da cerâmica brasileira e consome 22%, precisando assim, importar uma quantidade significativa de produtos cerâmicos. O estado de Pernambuco possui diversas olarias em sua extensão, no entanto, parte dessas ainda utiliza uma produção arcaica que agride o meio ambiente e não proporciona um produto final com custo/benefício desejado. Então, é necessário o aprimoramento em diversas etapas desse processo produtivo para obtenção de um produto final de qualidade, que não prejudique a natureza e que esteja apto a concorrer com os produtos cerâmicos de outros estados.

Palavras- chave: cerâmica vermelha, processo produtivo, impactos ambientais.

Abstract
Brazil is a major global producer of ceramics, beside to Spain, Italy and China, but consumes almost all their production. The Northeast, in turn, produces 21% of the Brazilian ceramic and consumes 22%, needing thus import a significant amount of ceramic products. The state of Pernambuco has several potteries in extent, however, some of these still uses an archaic production which harm the environment and does not provide a final product with cost / benefit desired. So the improvement in various stages of the production process for obtaining a quality end product is required, which does not harm nature and is able to compete with ceramic products from other states.

Keywords: red ceramic production process, environmental impacts.


Palavras-chave

cerâmica vermelha, processo produtivo, impactos ambientais.

 

Texto completo:

PDF

Referências

AMBONI, N. O Caso Cecrisa S. A.: uma aprendizagem que deu certo. 1997. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Cantarina, Florianópolis, 1997.

BRISTOT, V. M. Máquinas e equipamentos para cerâmica, Criciúma: Luana Ltda, 1996, 352p.

CARVALHO, O. O. et al. (Exs.). Aperfeiçoamento dos Processos Produtivos e dos Produtos de Cerâmicas do Rio Grande do Norte – Cerâmica Azevedo. Natal: SEBRAE-FINEP-PATME, 2001.

Estudos de Mercado: SEBRAE/ESPM. Cerâmica Vermelha para Construção: Telhas, Tijolos e Tubos. Relatórios Oficiais, 2008.

FILHO, L. L. R.; BEZERRA, F. B. Informe Setorial Cerâmica Vermelha. Disponível em:

HTTP://www.banconordeste.gov.br/content/aplicacao/etene/etene/docs/ano4_n21_informe_setorial_ceramica_vermelha.pdf. Acesso em: 15 de outubro 2013.

GAZETA MERCANTIL. Panorama Setorial – A indústria cerâmica. São Paulo, 2000.

HOLANDA, R. M.; SILVA, B. B. Cerâmica Vermelha – Desperdício na Construção Versus Recurso Natural Não Renovável: Estudo de Caso nos Municípios de Paudalho/PE e Recife/PE. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 04, n. 04, p. 872–890, 2011.

NASCIMENTO, W. S. A. Avaliação dos impactos ambientais gerados por uma indústria cerâmica típica da região do Seridó/RN. 2007. 184 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

. PELA qualidade da cerâmica vermelha. Disponível em: HTTP://portalmpe.abnt.org.br/bibliotecadearquivos/Biblioteca%20de%20Documentos/Pela%20qualidade%20da%20cer%C3%A2mica%20vermelha.pdf. Acesso em 25 de junho de 2014.

PETRUCCI, E. G. R. Materiais de construção. 5ª ed. Porto Alegre: globo, 1980.

PROJETO SEBRAE/RJ-GTZ. Estudo Setorial – Setor de cerâmica vermelha. Rio de Janeiro, 1997.

SANTOS, I.S.; SILVA, N.I.W. (Coords). Manual de cerâmica vermelha. Porto Alegre: UNISINOS/CIENTEC/SIOSES GS/SEBRAE-RS, 1995.

SILVA, M. M. P. Avaliação de perda de blocos cerâmicos em Pernambuco: da indústria ao canteiro de obras. 2007. 157 f. Dissertação (Curso de Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2007.

TACLA, Z. O livro da arte de construir. São Paulo: Unipress, 1984.

TAPIA, R. S. E. C. et al. Manual para a indústria de cerâmica vermelha: redução de desperdícios e maior eficiência no setor: fascículo 1: ed. Atual e aun – Rio de Janeiro: SEBRAE/RJ, 2005 a. 19p.

VAN VLACK, L. H. (1973). Propriedades dos materiais cerâmicos, Editora Edgard Blucher, São Paulo, p. 318.

BIBLIOGRÁFIAS

BEZERRA, F.D. Perfil da indústria de cerâmica vermelha do nordeste. In: Congresso Brasileiro de Cerâmica, 49º, 2005, São Pedro. Anais... São Pedro: ABCERAM, 2005. p. 1-12.

. Empresas enfrentam problemas. Disponível em: HTTP://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/noticia/2013/07/20/fabricas-de-ceramicas-enfrentam-problemas-90719.php. Acesso em 05 de outubro 2013.

.GÁS Natural. Disponível em: HTTP://portal.gasnatural.com/servlet/ContentServer?gnpage=4-50-1&centralassetname=4-50-3-3-2-0. Acesso em 04 de setembro de 2013.

REBOUÇAS, F. Futuro do gás natural no Brasil. Disponível em: HTTP://www.infoescola.com/atualidades/futuro-do-gas-natural-no-brasil. Acesso em 05 de junho de 2013.

ROSAS, R. Para consultor Brasil deve vender gás natural para países vizinhos no futuro. Disponível em: HTTP://oglobo.globo.com/politica/para-consultor-brasil-deve-vender-gas-para-paises-vizinhos-no-futuro-2796220. Acesso em 22 de outubro 2013.

SINDICER. Processo de fabricação da cerâmica vermelha. Disponível em: HTTP://www.sindicermf.com.br/processo-fabricacao-ceramica.html. Acesso em 13 de dezembro de 2013.

CADASTRO     ATUAL    ANTERIORES    NOTÍCIAS     PESQUISA     PROFLETRAS