CADASTRO     ATUAL    ANTERIORES    NOTÍCIAS     PESQUISA     PROFLETRAS

Referências

BARCELOS, A. M. F. A Cultura de Aprender Línguas (Inglês) de Alunos Formandos de Letras. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada), Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, 1995.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria da Educação Média e tecnológica. Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Brasília, DF, 1996.

BRASIL, Orientações Curriculares para o Ensino Médio. OCEM/06. Conhecimentos de Espanhol. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2006, p.127-164.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental (PCN’s). Brasília, DF, 1998.

CELANI, M.A.A. Ensino de línguas estrangeiras: ocupação ou profissão? In: LEFFA, Vilson. (Org.). O professor de línguas: construindo a profissão. Pelotas: Educat, 2001. p. 21-40.

CHANTRAINE-DEMAILLY, L. Modelos de formação contínua e estratégias de mudança. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Portugal: Dom Quixote, 1992, p.139-158.

CHOMSKY, N. (1959). A Review of B. F. Skinner's Verbal Behavior. Language, 35, 1, 26-58.

COELHO, H. H. É possível aprender inglês na escola? Crenças de professores sobre o ensino de inglês nas escolas públicas. In: BARCELOS, Ana Maria Ferreira; VIEIRA ABRAHÃO, Maria Helena (Org.). Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006. p. 125-142.

DE NARDI, F. S. Um olhar discursivo sobre língua, cultura e identidade: reflexões sobre o livro didático para o ensino de espanhol como língua estrangeira. Tese (em Teorias do Texto e do Discurso) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

______________. Entre a lembrança e o esquecimento: os trabalhos da memória na relação com língua e discurso. Revista Organon, Porto Alegre, v. 17, n. 35, 2003. p. 65-83.

DE PAULA, L. G. Uma pesquisa colaborativa com duas professoras universitárias de inglês: entraves e mudanças. 2010. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Letras/Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

GALLI, Joice Armani. As línguas estrangeiras como políticas de educação pública bilíngue. In: GALLI, J. A. Línguas que botam a boca no mundo: reflexões sobre teorias e práticas de língua. Recife: Ed. EDUFPE, 2011, p. 15-36.

________________ A noção de intercultural e o ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras no Brasil: representações e realidades do FLE. In. EntreLínguas, Recife, v.1, n.1, 2015. p. 111-129.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GUIMARÃES, L. S. O ensino da pronúncia no processo de ensino-aprendizagem de inglês como língua estrangeira e a abordagem comunicativa. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução. Universidade de Brasília, DF, 2004.

HYMES, D. Oncommnucative competente. Harmondswort: Penguin, 1972. p. 27–46.

JAEGER, D. Negócios... negócios. Amores, à parte! Memórias e silenciamentos no(s) discurso(s) de oficialização de uma língua espanhola no Brasil. Dissertação Mestrado em Letras e Linguística - Universidade Federal de Alagoas, 2009.

LEFFA, V. Criação de Bodes, Carnavalização e Cumplicidade. Considerações Sobre o Fracasso da Lei na Escola Pública. In: CÂNDIDO DE LIMA. Diógenes (Org.). Inglês em Escolas Públicas não Funciona: uma questão, múltiplo olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 15-32.

ORLANDI, E. Discurso e leitura. 6. ed. São Paulo: Campinas, Ed. Da Unicamp, 2001.

PAIVA, V. L. M. O. Ilusão, Aquisição ou participação. In: CÂNDIDO DE LIMA, Diógenes (Org.). Inglês em Escolas Públicas não Funciona: uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 33-46.

PENNINGTON, M. C. The teacher change cycle. Tesol Quaterly, v. 29, n. 4, winter, p. 705-731, 1995.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 30. ed. São Paulo: Cultrix. (Título original 1916).

SCHÖN, D. A. The reflective practitioner. New York: Basic Books, 1983.

WIDDOWSON, H. G. Conocimiento de la lengua y habilidad para usarla. LLOBERA CÀNAVES, M. (Coord.). Competencia comunicativa: documentos básicos en la enseñanza de lenguas extranjeras. [Madrid]: Edelsa, 1995. p. 83- 90.

ZEICHNER, Kenneth. M.; LISTON, Daniel. P. Reflective teaching: an introduction. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1996.